(Different responses of liana species to forest fragmentation: see English version below)

Uma das grandes transformações em florestas afetadas por distúrbios ambientais, sejam naturais como aberturas de clareiras ou antrópicos como o processo de fragmentação florestal, é o aumento da quantidade de lianas (cipós). Comumente, lianas são até mesmo classificadas como infestadoras, sendo muitas vezes vista como pragas na floresta. Na literatura especializada há um consenso de que lianas são favorecidas em áreas que passaram por distúrbios ambientais devido ao aumento na disponibilidade de luz e suporte. No entanto, essa visão geral não tem considerado a composição da comunidade de lianas.

 2022 jun 01

Ramo de Machaerium madeirense, espécie de maior abundância em florestas não perturbadas na ARIE PDBFF.

Branch of Machaerium madeirense, a species of high abundance in undisturbed forests of AREI BDFFP.

 

As lianas formam um grupo polifilético, com representantes em cerca um terço das famílias botânicas com flores e com grande diversidade de estruturas cambiais. Apesar dessa diversidade, frequentemente são avaliadas de forma generalista, sem considerar suas especificidades. Nesse sentindo, uma nova pesquisa publicada na Forest Ecology and Management, mostra que nem todas as espécies de lianas apresentam esse mesmo padrão de resposta aos efeitos provocados pela fragmentação florestal e a formação das bordas.

O estudo recém publicado foi realizado na Área de Relevante Interesse Ecológico Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais (ARIE PDBFF, Amazônia Central) e avaliou o efeito da fragmentação florestal e a proximidade da borda florestal em lianas, em diferentes níveis taxonômicos (comunidade, gênero e espécies de Machaerium). O gênero Machaerium, foi escolhido para a pesquisa pela sua relevância dentro da comunidade local de lianas (aproximadamente 12% das lianas inventariadas em florestas não perturbadas) e pela diversidade, compreendendo 8 espécies.

 2022 jun 02

Exsicatas das oito espécies de Machaerium identificadas na ARIE PDBFF.

Da esquerda para a direita: (em cima) M. aureiflorum, M. ferox, M. hoehneanum, M. leiophyllum,

(em baixo) M. macrophyllum, M. madeirense, M. multifoliolatum e M. quinata.

Specimens of eight species of Machaerium identified from AREI BDFFP.

From left to right: (above) M. aureiflorum, M. ferox, M. hoehneanum, M. leiophyllum,

(below) M. macrophyllum, M. madeirense, M. multifoliolatum and M. quinata

 

Ao contrário do padrão geral da comunidade de lianas, a maioria das espécies de Machaerium não aumentou sua população em ambientes perturbados, indicando que nem todas as espécies de lianas são favorecidas pelo aumento da disponibilidade de luz e suporte. Além disso, algumas populações de espécies de lianas foram prejudicadas em florestas fragmentadas e próximas a bordas. Os resultados mostram a complexidade de um componente da floresta altamente diverso (são catalogadas mais do que 350 spp. de lianas na ARIE PDBFF, incluindo espécies novas) e nos instiga a darmos uma maior atenção às sutilezas da composição da comunidade de lianas, que anteriormente foi obscurecida pela consideração genérica que lianas formam apenas um bloco único dentre os componentes florestais ou uma forma de vida que responde uniformemente aos distúrbios ambientais. O artigo contribui para entendermos que o sistema não funciona bem assim e constata que um bom tratamento taxonômico em um inventário é fundamental para entender as complexidades do funcionamento de um sistema florestal tropical.

Para maiores informações e leitura, acesse versão on-line do artigo (ST848 - Série Técnica de Publicações do PDBFF):

 2022 jun 03

Paulo R. R. Piovesan, aluno de doutorado do Programa de Pós-graduação em Ciências de Florestas Tropicais do INPA.

Paulo R. R. Piovesan, doctoral student in the Posgraduate Program of Tropical Forest Sciences at INPA.

 

Piovesan, P.R.R.; Burnham, R.J.; Ferraz, I.D.K. & Camargo, J.L.C. 2022. Species density diverges after forest fragmentation in lianescent Machaerium Pers. (Fabaceae) in Central Amazonia. Forest Ecology and Management, 519, doi.org/10.1016/j.foreco.2022.1120335.

 

 

Different responses of liana species to forest fragmentation.

One of the major transformations in forests affected by environmental disturbance, whether natural, such as forest gaps, or anthropic, such as under forest fragmentation, is the increase in the abundance of lianas (woody climbing plants). Commonly, lianas are classified as infesting plants, often classified as forest scourges. In the technical literature, there is a consensus that lianas are favored in areas that have undergone environmental disturbances because lianas increase under high light and support availability. However, this general point of view does not consider the liana community composition.

Lianas form a polyphyletic group, with representatives in about a third of all botanical families of flowering plants and they possess a high diversity of cambial variants. In spite of this diversity, they are often evaluated collectively, without considering the vast differences among liana species.  Our research, published in Forest Ecology and Management, shows that not all liana species show the same pattern of response to the effects of forest fragmentation and forest edges.

 The recently published study was carried out in the Area of Relevant Ecological Interest Biological Dynamics of Forest Fragments Project (AREI BDFFP, Central Amazon) and evaluated the effect of forest fragmentation and proximity to forest edges on lianas at three taxonomic levels (community, genus, and species of Machaerium).  The genus Machaerium was chosen for the research because of its relevance within the local liana community (approximately 12% of lianas inventoried in undisturbed forests) and for its diversity, comprising 8 species. 

Contrary to the general pattern of the liana community, most Machaerium species did not increase in population size in disturbed environments, indicating that not all lianas species are favored by increased availability of light and support. In addition, some of the liana species populations decreased in fragmented forests and near forest edges.   The results show the complexity of this highly diverse forest component (more than 350 spp. of lianas are cataloged in AREI BDFFP, including new species) and encourages greater attention to the subtleties of the composition of the liana community, which has been obscured by a general conception that lianas form a single unit among forest components or a life form that responds uniformly to environmental disturbances. The article contributes to our understanding that the system incorporates far more complexity and suggests that a taxonomic treatment in forest inventories is essential to understand the functioning of tropical forests. 

For more information and literature background, access the on-line version of the article (ST848 – Technical Publication Series, BDFFP):

Piovesan, P.R.R.; Burnham, R.J.; Ferraz, I.D.K. & Camargo, J.L.C. 2022. Species density diverges after forest fragmentation in lianescent Machaerium Pers. (Fabaceae) in Central Amazonia. Forest Ecology and Management, 519, doi.org/10.1016/j.foreco.2022.1120335.

Acessos: 142